oi

oi

Prefeitura Ilhéus

Camara


31 de janeiro de 2021

A DUBLÊ DE RADIALISMO QUE VER TUDO E NÃO VIU PATAVINAS

A "vidente" Aline não enxerga nada do passado,
mas ver e sabe tudo que acontecerá no futuro!

O sensacionalismo, fakes news e parcialidade na rádio Ativa de Eunápolis são expedientes recorrentes, mas nem por isso aceitáveis, embora sejam compreensíveis como instrumentos de insatisfações e complicações psíquicas, decorrentes dos resultados das urnas. O que se pratica ali é um radialismo de má qualidade, uma desvirtuação no modo de fazê-lo técnica e decentemente.

A imprensa, essencialmente, informa; já a imprensa exercida por alguns programas da rádio Ativa, transmite a informação de maneira achincalhadora: a notícia, independente de seu peso, vira um instrumento sórdido de interesse político e partidário, uma ópera-bufa.

Não há o cuidado devido que se deve ter com a narrativa, o que deixa a notícia apurada superficial. A imprensa Ativa é um

grande e sujo mercado dos fatos que são notícia, vendido a um público partidário, sedento e Fraterno por se municiar de argumentações que convém aos seus interesses pessoais.

Divulgando a suposta escatologia de um governo de um mês, a imprensa Ativa assegura o seu lugar entra as viúvas do roberismo.

Há uma relação de conivência entre os roberistas e a rádio Ativa, pois assim como sua programação sensacionalista, patranheira e ardilosa não se esforça em produzir bom radialismo, seu público roberista também não está interessado em “apenas” ser informado. Ele quer permanecer sendo ludibriado.

A notícia não é tão interessante sendo apenas informada, o público roberista quer consumir os detalhes dos argumentos oposicionistas, ainda que fake news. É para atendê-los que existe a rádio Ativa, que vai além dos limites não ultrapassados pela imprensa convencional, que só informa.

Em relação ao caso analisado, nota-se que os programas da Ativa, foca em visivelmente enganar o ouvinte, seja pela adulteração da suposta ocorrência, ou também pela distorção das informações.

O fato é que alguns programas da rádio Ativa representam o processo de fetichização do público roberista, tendenciosamente, indisposto a verificação dos fatos. Nada mais é do que o reflexo da postura anti-profissional no setor radialístico, que começa com o desapego pela qualidade e termina com o desleixo total com a ética.

Alguns dos principais sinônimos do radialismo exercido pela pífia dublê de radialista, Aline Verneck são: segmentário, fragmentário, fracionário, incompleto, inacabado, imperfeito, limitado, faccioso, injusto, iníquo, tendencioso e partidário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.