oi

oi

Prefeitura Ilhéus

Saúde Ilhéus

Saúde Ilhéus

25 de dezembro de 2010

A ARTE E A SOLIDARIEDDE NO NATAL SEM FOME

Lembram-se do Betinho? Aquele magrinho bom caráter, irmão do cartunista Henfil?Mesmo acometido e maltratado pela AIDS, não abandonava sua militância solidária, tanto que lá pelos idos de 1996, quando não existiam ainda os bolsas família e outros programas assistenciais, levantou a bandeira do Natal sem Fome, quando entre outras providências procurou o que existia de melhor na intelectualidade nacional e pediu a cada um deles um conto com tema natalino. Daí surgiu a obra “Contos para um Natal Brasileiro” revertida em benefício da sua cruzada. Guardo esta relíquia carinhosamente, ela hoje é apenas um velho e esmaecido volume, mas reúne um tesouro: alguns dos mais admirados escritores nacionais transcreveram ali as suas impressões sobre o Natal. Lá, podem-se ler autores que por ordem alfabética vão de Antonio Callado a Rubem Braga, num total de 16 craques da nossa melhor literatura. É um exemplo eloqüente de que Arte e Solidariedade, mesmo quando praticadas isoladamente, são a mesma coisa: um gesto fecundo de amor à vida. Talvez alguns se surpreendam com a existência de uma produção de contos nacionais ancorados no ambiente natalino, como nos sentimentos e nas expectativas geradas nesta época. Por diversos e contraditórios, espelham o que sentem os nossos melhores intelectuais sobre o assunto. Intencionalmente, introduzem-se contos, como “O Outro”, de Rubem Fonseca e “Segundo Nego de Roseno”, de Antonio Torres, nos quais não há nenhuma referência ao Natal, mas mesmo assim as evocações da solidariedade e da esperança surgem como temática principal. Os trabalhos reunidos nesta edição mostram o vigor do conto brasileiro, mesmo quando vertidos em torno de uma temática única. Não sei bem por que, todos os anos nesta época pego este livro e releio alguns dos contos, como o de Carlos Drummond de Andrade, ”Este Natal”, onde o próprio Papai Noel é um larápio fantasiado de bom velhinho somente para roubar os consumistas. Talvez esteja procurando as emoções perdidas naqueles natais quando minha mãe estava viva e nos contagiava com sua amável e inabalável fé, sua doçura, sua preocupação com o bem estar de todos e a sua permanente e extremada solidariedade com todos, principalmente com os mais desafortunados. Nas nossas noites natalinas não existiam troca de presentes, nem celebrações e glorificações de consumo – só afeto e carinho. (Deusdete do Carmo Bitencourt)

3 comentários:

  1. Betinho é a prova inconteste que existem anjos enre nós!
    Joselito Brito

    ResponderExcluir
  2. Betinho deixou um grande legado para os brasileiros.
    O Fome Zero foi um programa pensado a partir da ONG do sociologo Herbert de Souza, tb conhecido com Betinho.
    Marcos Pires

    ResponderExcluir
  3. O Betinho foi um cidadão que sensível as necessidades do povo menos favorecido colaborou, divulgou e assumiu com muita ênfase esse desafio.
    Nunes

    ResponderExcluir

Comente no blog do Val Cabral.