oi

oi

Prefeitura Ilhéus

Camara


10 de outubro de 2021

A JUSTIÇA NEM SEMPRE É JUSTA

Se a Justiça fosse justa e perfeita, Robério nunca seria prefeito

Sempre que se fala em Justiça surge no nosso imaginário a figura de uma mulher com os olhos vendados, carregando em uma de suas mãos a balança e em outra a espada. A venda tem como função básica evitar privilégios na aplicação da justiça, sendo a balança o instrumento que pesa o direito que cabe a cada uma das partes e a espada item indispensável para defender os valores daquilo que é justo, já que a norma sem a possibilidade de coação dependeria apenas das regras de decência e convivência de cada comunidade, o que seria ineficaz para garantir o mínimo ético indispensável para a harmonia social.

Podemos dizer que a espada sem a balança é força brutal, assim como a balança sem a espada tornaria o Direito impotente perante os desvalores que insistem em ser perenes na história da humanidade. Após esse detalhamento essencial das características da "musa do direito", uma pergunta persiste: a Justiça é "cega"? A venda nos olhos é considerada como símbolo da imparcialidade daqueles que representam o Estado. Mas não há como acreditar na Justiça, quando a temos de olhos abertos para favorecer indivíduos injustos.

A Justiça parece apenas está cega, para o fato do seu peso, recair somente sobre os ombros de negros, pobres e prostitutas. A Justiça parece cega para punir políticos ficha suja. Se a Justiça fosse justa, corruptos como o ex-prefeito de Eunápolis, Robério Oliveira (PSD), estariam encarcerados e não encastelados no império da impunidade, que o fazem ousar se dizerem pretendentes de cargos públicos e com perspectivas de usarem parte do que lucraram com fraude, para comprar votos de eleitores venais, que pecam em permanecerem gritando Barrabás!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.