oi

oi

Prefeitura Ilhéus

Saúde Ilhéus

Saúde Ilhéus

21 de fevereiro de 2020

QUE TUDO A TODOS PERTENÇA

NÃO HÁ CIDADANIA SEM DIGNIDADE HUMANA
Na presença entusiasmada da gente mais simples do povo, em escolas de samba e blocos de Carnaval, vejo, dentre outros aspectos, a profunda busca de identidade, tão forte na alma humana. Quem pertence a uma escola de samba tem endereço, raiz, deixa de ser alguém sem lenço e sem documento.  Vibro com as escolas sim, mas vibro ainda mais com o rosto feliz dos sambistas. Esses rostos me embevecem. A sede humana de identidade e reconhecimento me relembra antigas andanças pelos bairros da periferia de Itabuna, como dirigente e militante político.  Surpreendi centenas de casos de pessoas sem registro civil. Numa situação de completa marginalização econômica e social – inacreditável para quem não foi testemunha – itabunenses, irmãos nossos, nem nome civil possuíam.  O primeiro “movimento pela cidadania ampla”, que tive a honra de inspirar, como membro da Pastoral Carcerária e Conselho da Comunidade, ocorreu quando ainda existia a Cadeia Pública no Complexo Policial de Itabuna. Com apoio do então Juiz de Direito, Marcos Bandeira
e membros das citadas entidades promovemos registros civis, correção de prenomes grafados erroneamente, emissão de carteira de trabalho, Registro Geral, CPF e ações sociais de capacitação profissional em favor de pessoas encarceradas. Inclusive, fizemos Itabuna ser a primeira cidade no interior baiano, onde presos provisórios puderam votar para prefeito e vereador. Duas urnas eletrônicas eleitorais foram postas naquela unidade prisional. Foi um período de profícua vida cidadã dentro dos muros da cadeia, contrastando com uma época de obscurecimento da cidadania na vida prisional. Encontrar a possibilidade de “ser pessoa” numa escola de samba, tornar-se juridicamente “pessoa” pelo registro civil – leva-me a uma outra reflexão, qual seja, a busca de “ser pessoa”, de ser feliz, nas praias superlotadas de gente, no balanço das ondas, no burburinho das vozes, no murmúrio do mar. “Ser pessoa”, neste caso, é soltar-se, relaxar, aliviar tensões. Todos os entraves que obstaculem a vivência dessa dimensão do “ser pessoa”, como privatizar praias, merecem nosso repúdio. A praia ainda é um dos poucos bens acessíveis a todos sem exceção. A sociedade civil deve resistir à privatização das praias, através de pressão política e também por meio da “ação popular”. Bela saga do povo brasileiro, nesta luta para “ser pessoa”: o sambista, que se torna pessoa sambando; a comunidade que “faz pessoas” através de uma chamada geral para a cidadania num momento de escuridão; o povo que trabalha e que sua, que tenta na praia “ser pessoa”, que divisa com esperança o horizonte infinito, esse horizonte que não tem dono: a todos pertence.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.