19 de julho de 2018

CANDIDATO DE CUMA COM MAIS UM ABACAXI PARA DESCASCAR

Cuma se suja mais com compadro com o mal lavado do Jonga!

O prefeito de Itabuna, Fernando Gomes (Cuma), está apoiando a reeleição do deputado federal João Carlos Bacelar (PR-BA), o Jonga Bacelar, como é conhecido o parlamentar natural de Entre Rios. Maso que muita gente não sabe na cidade, é que este deputado apoiado por Cuma, é aquele mesmo que foi denunciado como protagonista da missão de convencer o corrupto empresário Joesley Batista a comprar o voto de pelo menos 30 deputados em favor de Dilma na votação de sua cassação. Cada deputado custaria R$ 5 milhões. O empresário diz que só pagou R$ 3,5 milhões, mas Jonga cobrava sempre o restante com frequência. Jonga também é acusado pela empresária Isabela Suarez, filha e braço-direito do empreiteiro Carlos Suarez, fundador da OAS e um dos maiores empresários da construção civil na Bahia, de ser chefe de um grupo de deputados do baixo clero, que operava um balcão de negócios envolvendo as emendas parlamentares. O deputado João Bacelar é acusado de comprar uma emenda do então deputado federal, Geraldo Simões (PT), no valor de R$ 3 milhões para a cidade de Casa Nova, através da Codevasf. Não são poucas as acusações envolvendo o nome do deputado apoiado por Cuma. Surgiu mais uma: durante o recesso parlamentar do começo de 2018, o deputado federal João Carlos Bacelar, gastou R$ 967 no Posto Bahia Marina, em Salvador. Conforme informações disponibilizadas no site da Câmara Federal, Jonga gastou, no dia 13 de janeiro (um sábado), R$ 920 em 250 litros de diesel, além de R$ 47 com um lubrificante mineral multiviscoso de três litros para uso em motores diesel - itens compatíveis com a manutenção de uma embarcação marítima. O posto em questão fica localizado exatamente na Bahia Marina, um dos principais atracadouros privados da capital baiana. O Ford F-150, ano 2017, é o automotor com maior tanque de combustível do mundo. Ele cabe 136 litros – 114 a menos ao que o deputado gastou no estabelecimento. Três dias depois, o deputado gastou R$ 893,80 com “Avgas 100LL”, combustível para aeronaves leves com motor a pistão. O Ato da Mesa n° 43, de 21 de maio de 2009, sobre a Cota Parlamentar, autoriza o uso de combustível e fretamento para embarcação desde que tenha fim para atividade parlamentar e que a região onde o deputado tenha base eleitoral seja de difícil acesso para veículos automotores. E não foi este o caso. Ou seja, Jonga, mais uma vez dá péssimo exemplo do uso das atribuições de um parlamentar e age como agiria todos que fazem do dinheiro público, conteúdo de uma fossa condominial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.