oi

oi

Prefeitura Ilhéus

Saúde Ilhéus

Saúde Ilhéus

29 de setembro de 2011

MULHERES SE ARTICULAM EM CONFERÊNCIA POR POLÍTICAS PÚBLICAS

“Mulher, nenhum direito a menos! Trabalho, saúde e cidadania”. Focadas neste tema centenas de mulheres representando os mais diversos segmentos da sociedade civil organizada e dos poderes públicos estão reunidas desde a noite da última quarta-feira, 28, na II Conferência Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres, que acontece no Instituto de Cultura Espírita de Itabuna (ICEI). Dentre os objetivos, as participantes irão discutir e elaborar propostas de políticas que contemplam a construção da igualdade de gênero no âmbito do município. Também está prevista a avaliação das ações contidas no II Plano Nacional de Políticas para Mulheres e definição de prioridades para sua execução bem como para implementação e construção de políticas para as mulheres como base para a elaboração do Plano Municipal de Políticas paras as Mulheres de Itabuna. As propostas definidas em plenária na Conferência serão levadas para apreciação dos delegados das conferências Territorial Litoral Sul e à Estadual que acontecerá em Salvador. A solenidade de abertura foi presidida pela secretária municipal de Assistência Social, Marina Silva, e contou com a participação da chefe de gabinete da Secretaria Estadual de Políticas Publicas para as Mulheres, Rita Maria de Souza, da vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres, Zilma Félix, da diretora da 7ª Diretoria Regional de Educação (Direc 7), Miralva Moitinho e da juíza titular da 1ª Vara Crime da Comarca de Itabuna, Antonia Mariana Faleiros, que também foi convidada a proferir a palestra magna. LUTAS E CONQUISTAS - Revelando estar profundamente emocionada pelo momento histórico marcado pela Conferência, a secretária Marina Silva se lembrou de sua infância e juventude, das lutas travadas pela sobrevivência e por sua afirmação como mulher, esposa e mãe de família. “Quando olho o meu passado, do qual me orgulho, e vejo quanto foi difícil vencer sendo trabalhadora rural, lavadeira, faxineira e vendedora, fico a me perguntar onde estavam as políticas públicas para as mulheres e chego à conclusão de que, se elas existiram algum dia nunca foram postas em prática”. “Por isto, fico emocionada quando vejo aqui mulheres como eu que acreditam na força da união para transformar a realidade em que vivemos para que de fato e de direito possamos conquistar o respeito que ao longo da história nos tem sido negado”, frisou a Marina Silva. Ele disse ainda que, neste contexto, a Conferência de Políticas Públicas para as Mulheres representa um avanço para a sociedade não só de Itabuna, mas em todo o território nacional. A vicie-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulheres, Zilma Féliz, ressaltou a importância da participação feminina na construção democráticas das políticas públicas e agradeceu o empenho da administração municipal em tornar a conferência uma realidade. A representante da Secretaria Estadual das Políticas Públicas para as Mulheres, Rita Souza, também elogiou o engajamento das mulheres itabunenses na construção das políticas públicas e lembrou que a criação da Secretaria Estadual é uma grande conquista das mulheres baianas e resultada de anos de lutas e articulações. Já a titular da Direc 7, Miralva Moitinho, condenou a banalização da violência contra a mulher e criticou profissionais que utilizam dos meios de comunicação para denegrir a imagem de mulheres por conta da sua opção sexual. Abordando o Direito da Mulher Contemporânea, a juíza Antonia Marina Faleiros, falou da marginalização da mulher, do respeito mútuo entre homens e mulheres e dos desafios que o público feminino tem enfrentado para ter seus direitos respeitados. “Um destes grandes desafios diz respeito à construção de uma sociedade pautada no respeito homem para mulher e mulher para o homem”, argumentou. A Conferência teve sequência na quinta-feira, 29, com palestras e trabalhos em grupo. (Erivaldo Bomfim – Foto: Vinícus Borges).

4 comentários:

  1. Maria Célia Batista Lima01 outubro, 2011

    Eventos assim acabam resolvendo vários problemas envolvendo as mulheres... mas as coisas mudaram muito no Brasil... era muito pior antes! E vai melhorar mais.
    Woman no cry!

    ResponderExcluir
  2. Políticas publicas?
    Podem fazer tantas quantas conferências quiserem... mas a mulher sempre será tratada como objeto de quinta categoria, pelom própriom governo que deveria combater essa desigualdade.
    A Dilminha/PT pra enganar as tadinhas na campanha prometeu mundos e fundos para tomar os votos.
    Se revirar o youtube e ver nos vídeos tudo que foi prometido e comparar com a realidade desse governo mentiroso... dá vontade de correr para o Paraguai assim como muitos empresários brasileiros estão fazendo.
    Everaldo Brandão

    ResponderExcluir
  3. Djlama Ribeiro01 outubro, 2011

    6 em cada 10 mulheres são agredidas pelos próprios parceiros.
    Que eu me lembre a Dilma disse em campanha que iria "dar prioridade ao tratamento de dependentes químicos, e que iria fazer políticas para mulheres".
    Onde estão as políticas publicas para mulheres?
    Onde estão as políticas antidrogras?
    Papo de enganadores subversivos e petista é assim mesmo, falam que vão mover céus e terras mas na hora H...
    Deus Abençoe o Brasil dessa corja petista e ateia!!

    ResponderExcluir
  4. EVENTOS ASSIM SÃO MUITO IMPORTANTES PARA SE ATENUAR A PROBLEMÁTICA A QUE ESTÁ SUBMETIDA A MULHER EM ITABUNA.
    FALTAM CRECHES, EMPREGOS... NA VERDADE FALTA TUDO PARA AS MULHERES EM ITABUNA.
    LUIZ CLÁUDIO BARRETO

    ResponderExcluir

Comente no blog do Val Cabral.