oi

oi

Prefeitura Ilhéus

Saúde Ilhéus

Saúde Ilhéus

22 de dezembro de 2010

BISPO DO CEARÁ RECUSA COMENDA DO SENADO

O bispo de Limoeiro do Norte (CE), Dom Manuel Edmilson da Cruz, se negou a receber uma comenda do Senado Federal, nesta terça-feira (21), em protesto contra o aumento salarial de 61,8% dos parlamentares. A recusa foi feita em um discurso no plenário da própria Casa. “A comenda hoje outorgada não representa a pessoa do cearense maior que foi Dom Helder Câmara. Não representa. Desfigura-a, porém. Sem ressentimentos e agindo por amor e por respeito a todos os senhores e senhoras, pelos quais oro todos os dias, só me resta uma atitude: recusá-la. Ela é um atentado, uma afronta ao povo brasileiro, ao cidadão, à cidadã contribuinte para o bem de todos, com o suor de seu rosto e a dignidade de seu trabalho”, afirmou. A homenagem não aceita pelo bispo é a Comenda dos Direitos Humanos Dom Helder Câmara, um dos maiores atuantes na luta pelos direitos humanos durante o regime militar.

4 comentários:

  1. Caro Val Cabral, esse Bispo merece minha admiração, se todas as partes da sociedade através e seus representantes fizessem a mesma coisa seria o ideal, é vergonhoso a desigualdade de renda no país, desses salários recebidos pelos parlamentares 27% voltam para os cofres públicos como impostos e o governo de novo centraliza o dinheiro do país, se o Brasil quer ser bem visto lá fora tem que começar a fazer economia das contas do governo, deste jeito cada dia mais os funcionários da política afundam nossa chance e melhoria de condições mais humanas de vida.
    Edmilson Soares

    ResponderExcluir
  2. Prezado amigo Val Cabral

    Muito digna a posição do bispo de Limoeiro do Norte, no Ceará, Dom Manuel Edmilson da Cruz, ao recusar a comenda, em protesto contra o aumento de 61,8% aos parlamentares aprovado pelo Congresso Nacional.
    Depois de criticar o não pagamento de precatórios, o baixo valor das aposentadorias, os salários mínimos "que crescem em ritmo de lesmas", o bispo lembrou o aumento dos parlamentares e o efeito cascata que a decisão deverá impor nos Estados e municípios.
    "O povo brasileiro, hoje de concidadãos e concidadãs, ainda os considera Parlamentares?", indagou. "Quem assim procedeu não é Parlamentar. É para lamentar".
    Nota MIL para ele.

    Paulo do Pontalzinho
    paupont@bol.com.br

    ResponderExcluir
  3. Uma atitude digna de merecer os palausos de todos os barsileiros. Kleber Barreto

    ResponderExcluir
  4. É DE BRASILEIRO ASSIM, QUE O BRASIL ESTÁ NECESSITANDO.
    JORGE SALES

    ResponderExcluir

Comente no blog do Val Cabral.