4 de maio de 2017

NÃO É SÓ A CORRUPÇÃO, QUE FAZ O BRASIL ESTÁ FADADO AO FRACASSO

Engana-se quem pensa, que só a corrupção afunda o Brasil
Em 10 anos, segundo as revelações dos delatores da Odebrecht, R$-10 bilhões dos nossos já minguados recursos públicos escoaram pelos ralos da corrupção. Nada mais repugnante, execrável e criminoso. Entretanto, quando comparado a outros dois joios, a incompetência e a irresponsabilidade fiscal, os tais R$-10 bilhões se assemelham a uma simples gorjeta. Se o déficit da nossa previdência social, no ano de 2016, já devidamente contabilizados, foi de R$-151 bilhões, se em 2017 estima-se que será de, no mínimo, R$-183 bilhões, e em 2018 ultrapassará a casa dos R$-200 bilhões, ainda que a nossa corrupção seja reduzida a zero, nosso país não suportará tamanhas despesas, situação que se agrava pela perspectiva de permanecerem constantes e crescentes.  Outra comparação: tudo que a Odebrecht pagou sob a forma de propina, ao longo de 10 anos, representa o déficit da nossa previdência social em uma única quinzena. Eis a diferença entre a corrupção e a irresponsabilidade fiscal: a primeira vem nos matando lentamente e a segundo mais aceleradamente. Desta feita, reformar a nosso sistema previdenciário é uma questão de vida ou morte, até porque, mantida como estar, sua morte é certa, e não apenas o sistema sob responsabilidade da nossa própria União, sim e também, a dos Estados e dos municípios que estabeleceram os seus próprios sistemas previdenciários. O Estado do Rio de Janeiro já não mais vem pagando com regularidade os seus aposentados e pensionistas. Ainda este ano, diversos outros Estados da nossa federação terão o mesmo fim. Por se tratar da mais difícil entre as tantas reformas constitucionais que haverão de ser feitas, a da previdência social é, sem dúvidas, a mais desafiadora, ainda que estivéssemos vivendo os  melhores momentos da nossa história, o que não é o nosso caso. Pelo contrário. Vivemos sim, os piores. E por quê? Com sua popularidade, abaixo dos 10%, o presidente Michel Temer não reúne as condições políticas para comandá-la, tampouco o nosso Congresso Nacional, presentemente, submetido a um verdadeiro linchamento moral. Daí a pergunta que não pode calar: resta-nos tão somente esperar pelo caos?  Se o que já está ruim ainda pode piorar, segundo a lei de Murphy, neste particular, a nossa grande imprensa continua envenenando a nossa opinião pública, levando-a a crer que a corrupção, por si só, é a causadora da falência fiscal do nosso país. Se a incompetência e a irresponsabilidade fiscal dos nossos gestores públicos não forem combatidas com o mesmo rigor que a justiça, e em particular, à Operação Lava-Jato vem combatendo corrupção, na melhor das hipóteses, e a curtíssimo prazo, seremos um país miseravelmente falido, ainda que, essencialmente honesto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.