26 de junho de 2017

NÃO HÁ NADA MAIS A TEMER, QUE UMA JUSTIÇA INJUSTA

O médico tarado foi condenado por 39 estupros
Nos últimos dois dias, a notícia que mais chamou atenção foi soltura do ex-médico Roger Abdelmassih, que foi autorizado a cumprir o restante da sua pena de 181 anos em casa. Esse senhor foi condenado pelo estupro de 37 pacientes de sua clínica de reprodução assistida. Agora, depois não cumprir nem três anos dessa pena, recebeu o benefício de cumprir pena domiciliar sob a alegação de estar passando por problemas de saúde. Abdelmassih é perigoso. Costumava ameaçar suas vítimas enquanto estava foragido. Outros tantos não tão perigosos assim, estão mofando nas cadeias brasileiras sem direito de progressão de pena, embora já tenha obtido os requisitos necessários. Boa parte desses vivem problemas de saúde tão mais graves que os de Abdelmassih. Para esses, no entanto, a Justiça continua sega, surda e muda. Alguns até morrerão nos presídios vítimas da tuberculose, da sífilis, a aids e de outras tantas mazelas que se adquiri dentro e fora das grades. Roger, o criminoso enfermo, vai desfrutar da liberdade em uma mansão em São Paulo. Já os cidadãos da faixa dos três pês, amargurará os rigores da lei.

QUASE METADE DOS BRASILEIROS DIZ QUE NÃO VOTARIA EM LULA DE JEITO NENHUM

Lula ainda conta com apoio de uma tropa de jumentos
Réu em cinco ações na Justiça Federal no âmbito das operações Lava Jato e Zelotes, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o preferido em intenções de voto em todos as simulações de primeiro turno em que participa para a Presidência da República nas Eleições 2018, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira/26. Lula tem entre 29% e 30% da preferência conforme os candidatos que enfrentaria. Porém, ao mesmo tempo, o petista é rejeitado por quase metade da população. Na primeira simulação, Lula (PT) aparece com 30%, contra 16% do candidato de ultradireita Jair Bolsonaro (PSC) e 15% de Marina Silva (Rede). Geraldo Alckmin (PSDB) é o quarto colocado, com 8%, e Ciro Gomes (PDT) é o quinto, com 5%. Luciana Genro (PSOL) teve 2% de intenções de voto, assim como Eduardo Jorge (PV) e Ronaldo Caiado (DEM). Os indecisos são 2%, enquanto os que disseram que votariam branco ou nulo somam 18%. REJEIÇÃO - Conhecido por 99% da população brasileira, o ex-presidente é rejeitado por 46% dos entrevistados — o que equivale a quase metade da população brasileira. o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), é o segundo mais rejeitado, com 34%. A terceira posição neste ranking pertence ao deputado federal Jair Bolsonaro, com 30%. Haddad é rejeitado por 28%, enquanto Ciro Gomes não teria o voto, com certeza, de 26% dos eleitores. Marina Silva conta com 25% e rejeição, Luciana Genro, 24%, e Caiado tem 23%. Os entrevistados que se recusam a votar em Moro são 22%, enquanto esse índice vai a 21% para Eduardo Jorge e 20% para João Doria. A menor rejeição é do ex-ministro do Supremo Joaquim Barbosa, que conta com 16%. Os eleitores que disseram que votariam em qualquer um ou não rejeita nenhum dos nomes acima são 3%, mesmo percentual dos que rejeitam todos esses nomes ou não votariam em nenhum deles. O Datafolha ouviu 2.771 pessoas em 194 cidades do País entre os dias 21 e 23 de junho de 2017. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, e o nível de confiança é de 95%.

'NADA NOS DESTRUIRÁ, NEM A MIM NEM AOS NOSSOS MINISTROS', DIZ TEMER

Temer não teme bravatas, ameaças e processos judiciais
O presidente Michel Temer disse nesta segunda-feira/26, que "não há plano B" e que "nada nos destruirá, nem a mim nem a nossos ministros". O presidente afirmou ainda que o governo dele está colocando o país "nos trilhos". Ele deu a declaração ao final de um discurso em evento no Palácio do Planalto para sancionar a lei que permite aos comerciantes cobrarem preços diferentes para um mesmo produto, dependendo da forma como o cliente paga. "Não me canso de falar. O Brasil está nos trilhos, no caminho da responsabilidade e na rota da recuperação [...] Não há plano B. Há que seguir adiante. Nada nos destruirá, nem a mim, nem aos nossos ministros", afirmou Temer. O presidente é alvo de investigações autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal após as delações de executivos da JBS. Nos próximos dias, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve apresentar uma denúncia contra o presidente da República. (G1)

AVIÃO COM 500 QUILOS DE COCAÍNA DECOLOU DE FAZENDA DO MINISTRO DA AGRICULTURA

Avião com cocaína na fazenda do Ministro Maggi o compromete
O avião interceptado com 500 Kg de cocaína neste domingo pela Força Aérea Brasileira (FAB) decolou de uma fazenda em Mato Grosso pertencente a família do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. A informação foi confirmada pela própria FAB. De acordo com a Força Aérea, o avião bimotor, matrícula PT-IIJ, decolou da Fazenda Itamarati Norte, no município de Campo Novo do Parecis (MT), que está registrada em nome do Grupo Amaggi, empresa da família de Blairo. Em nota, o Grupo Amaggi informou que tomou “conhecimento do caso por meio da imprensa e aguarda o desenrolar das investigações sobre a propriedade da aeronave e as circunstâncias exatas em que ela – conforme afirma a FAB – teria pousado na Fazenda Itamarati e decolado a partir de uma de suas pistas”. Além disso, destacou que a empresa “não tem qualquer ligação com a aeronave descrita pela FAB e não emitiu autorização para pouso/decolagem da mesma em qualquer uma de suas pistas”.

LULA É CITADO 68 VEZES NA SENTENÇA QUE CONDENOU PALOCCI

O que Palocci tem pra denunciar comprometerá Lula!
Mesmo não sendo réu na ação penal que condenou Antônio Palocci a 12 anos de cadeia, o nome do ex-presidente Lula é citado 68 vezes na sentença do ex-ministro, seja em trechos destacados pelo juiz Sergio Moro ou nas transcrições dos depoimentos que foram usados como provas para estipular as penas de cada réu. O ex-presidente da República deverá conhecer nos próximos sua primeira sentença na Lava-Jato, no caso da compra do tríplex no Guarujá. Em um dos trechos da sentença, o juiz Moro, ao analisar o conteúdo de e-mails, cuida de identificar o personagem “italiano”, que tinha influência junto ao presidente Lula. “Percebe-se ainda que “Italiano” é a pessoa com acesso ao então Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o que é também o caso de Antônio Palocci Filho”, escreve o juiz. “Chama ainda a atenção a referência de que, apesar do veto, seriam cogitadas alternativas junto ao então Presidente, “tributárias e ou com a Petrobrás”, para compensar o Grupo Odebrecht, prova da intenção de solicitação de contrapartida ilegal em favor dele por parte do Governo Federal”, diz o texto. O juiz Moro faz nova referência a Lula ao transcrever depoimento do executivo Pedro Novis, da Odebrecht. “(Novis) admitiu que tratou com Antônio Palocci Filho de doações de recursos não-contabilizados para as campanhas eleitorais do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2002 e 2006”. Ainda citando Novis, o juiz destaca trecho do depoimento no qual o executivo identifica outro personagem ligado a Lula: “Em indagação da Defesa de Antônio Palocci Filho acerca da mensagem eletrônica do item 317, na qual figura como destinatário, (Novis) esclareceu que “Seminarista” era o codinome de Gilberto Carvalho, então chefe de gabinete do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e que “Ital” era Antônio Palocci Filho”.

QUESTÕES AMBIENTAIS CONSTRANGEM TEMER E FAZ O BRASIL PERDER RECURSOS

A Noruega está vendo o Brasil no atoleiro da
falta de ações para preservação da Amazonas
Em sua recente viagem à Rússia e à Noruega, o presidente Michel Temer passou por vários constrangimentos. Um deles foi a insatisfação manifestada pelo governo norueguês com a condução da política ambiental no Brasil. A Noruega é o maior doador do Fundo Amazônia, para o qual já destinou cerca de R$ 2,8 bilhões, entre 2009 e 2016, com objetivo de financiar a preservação da nossa floresta tropical. Nos últimos dias, porém, autoridades norueguesas têm feito fortes críticas ao governo brasileiro e ameaçado suspender o financiamento para proteção ambiental. Segundo o governo norueguês, as doações são baseadas em resultados: o dinheiro é repassado se o desmatamento é reduzido. Isso significa que, da mesma forma, se o desmatamento está subindo, como acontece atualmente, haverá menos recursos disponíveis. De fato, o desmatamento, que vinha em uma tendência de queda há alguns anos no Brasil, teve um aumento de 58% em 2016, segundo estudo da Fundação SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Além disso, ambientalistas têm criticado o fortalecimento de grupos “ruralistas” no governo Temer que têm atuado para aprovar no Congresso a flexibilização das regras de licenciamento ambiental e a redução de áreas de proteção. Não bastassem os graves problemas internos, tanto políticos quanto econômicos, Temer também se depara com o desgaste perante a comunidade internacional. O cenário, portanto, ainda é desolador.

NÃO NOS ENVERGONHAMOS DOS NOSSOS ROUBOS

Nós mesmos estamos roubando no presente, o país do futuro
O delito roubar está inserido no contexto de crime que suscita revolta no interior de cada ser humano. Roubar se constitui num mistério, um enigma para o pensamento; porquanto, qual é a origem do roubo, qual é seu fundamento? E por que o homem rouba o seu semelhante? Por que roubamos? Alguém pode responder essas questões? Uma coisa é certa, essa prática nociva está inerentemente ligada nas entranhas do homem. É assustador como essa perversão própria da natureza humana se agiganta nos dias atuais. Parece que o mundo de hoje, é o mundo dos velhacos, dos trapaceiros, dos charlatões, infiltrados em todos os segmentos da sociedade. Pode-se dizer que toda essa loucura humana, é produto duma nova filosofia de vida em que a verdade e os valores são relativos, dependentes de sua utilidade tanto para os indivíduos como para a sociedade. Conclui-se, igualmente, que as ações do homem que vive a roubar, estão representadas pela filosofia que consiste na desvalorização dos supremos valores, na ausência de fim, na impossibilidade de responder “os por quês de tudo isso?”. Parece não haver mais razão alguma para imaginar um mundo verdadeiro. Ao mesmo tempo, essa reflexão parece submeter o homem  a não se envergonhar da sua má conduta. Mas essa atitude ilícita, em relação ao nosso próximo, essa aptidão pelo desonesto, é mesmo um mistério, um enigma para o pensamento. Por isso somos forçados a afirmar, por assim dizer, que somos homens e mulheres, de estrutura delituosa por natureza, uma espécie de culpa original. Contudo, não haveria fraudes e roubos, nas dimensões atuais, se a existência não fosse profundamente desigual, desordenada ou caótica, enquanto sociedade organizada. Ocorre que a luta pela existência é originalmente uma luta pelo prazer. Esta luta pela existência, mais tarde, é organizada no interesse da dominação. A propósito, já dizia Maquiavel, toda dominação, é dominação política!

25 de junho de 2017

LAVA JATO FAZ MINAS LIDER RANKING DAS DETENÇÕES

Juiz Sérgio Moro vira herói por fazer a Justiça ser séria no país
A Lava Jato é operação que mais prendeu no País desde 2013. O primeiro lugar nesse ranking foi garantido com 179 prisões – 72 preventivas, 101 temporárias e seis flagrantes. Os delitos financeiros investigados são os que mais mandaram suspeitos para cadeia (113 vezes), seguidos pelos desvios de verbas públicas (63) e pelos crimes fazendários (3). De 2013 a 31 de março deste ano, a PF registrou 1.426 prisões em 359 operações por desvios de verbas públicas – no geral, foram 11.197 prisões em 2.325 operações. Nas detenções por suspeita de corrupção, foram 869 prisões preventivas, 569 temporárias e 93 flagrantes. A análise da distribuição das prisões por Estados mostra que Minas Gerais lidera as detenções por desvio de verbas (209 casos, seguido pelo Paraná – 176). Só as nove fases da Operação Mar de Lama, sobre fraudes e corrupção em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, provocaram 30 prisões preventivas e 12 detenções temporárias, levando para a cadeia 7 dos 21 vereadores. O impacto da operação foi gigantesco. Administrada então pelo PT, a cidade votou maciçamente em 2016 na oposição, elegendo prefeito o candidato do PSDB, André Merlo, com 83% dos votos.

ILHÉUS TERÁ 14H DE SHOWS NO NIVER

Festa de Forró em Ilhéus será quase toda sem forró
Os shows dos 483 anos de fundação de Ilhéus e de São Pedro, programados para a avenida Soares Lopes, nos dias 27 e 28, terão 14 horas de música com 14 bandas. As apresentações serão iniciadas às 18 horas, se estendendo até 3 horas. No dia 27, tem Boteco das Amigas, Menina Forrozeira, Danniel Vieira, Estakazero, Naiara Azevedo, Forró dos Plays e a dupla Marcos e Pablo. No dia do aniversário de Ilhéus, 28, quarta-feira, os shows contarão com as apresentações de Raneychas, Sinho Ferrary, Aduílio Mendes, Simone e Simaria, Thaeme e Thiago, Donas do Bar e Genard. Uma estrutura de palco será montada na avenida Soares Lopes, em frente à praça Rui Barbosa. A área será cercada para facilitar o esquema de segurança montado pela PM com detectores de metal. (A Região).

DETENTO SERÁ INDENIZADO POR CONDIÇÕES DEGRADANTES DE PRESÍDIO

Só pretos, pobres e prostitutas ficam presas no Brasil
Um detento do Presídio Central de Porto Alegre será indenizado em R$ 5 mil pelo governo gaúcho. A decisão baseou-se na tese fixada pelo Supremo Tribunal Federal, em fevereiro, de que é obrigação do Estado reparar os danos, inclusive morais, causados pelas más condições de encarceramento. Então, o detento vai ser indenizado por ter de cumprir pena em condições degradantes. O detento, segundo o Conjur, foi condenado a 14 anos de prisão e cumpre pena no Presídio Central desde 2011. Superlotado e com problemas de saneamento e segurança, o estabelecimento prisional é considerado um dos piores do país. O autor afirmou que as condições degradantes violam sua dignidade. Na ação, o preso disse que a unidade não tem condições mínimas de habitabilidade e que fica exposto a doenças. Citou ainda as ações, na Corte Interamericana de Direitos Humanos e do Ministério Público do RS, que obrigam o governo gaúcho adotar uma série de medidas para adequar a situação do presídio. A juíza Rosana Broglio Garbin, da 4ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de Porto Alegre, afirmou que o estado do RS vem se omitindo em garantir condições mínimas de habitabilidade e higiene nos presídios, o que levou o sistema prisional ao colapso. Conforme a julgadora, a partir do momento em que a pessoa é recolhida ao presídio, o Estado assume o dever de vigiá-la e preservá-la, tornando a responsabilidade civil objetiva. Isso porque o Estado tem o dever de assegurar aos presos o respeito à sua integridade física e moral (artigo 5º, inciso XLIX, da Constituição). Neste contexto protetivo, lembra a juíza, a atual orientação do STF sinaliza que o estado tem o dever de manter, em seus presídios, padrões mínimos de humanidade previstos no ordenamento jurídico, sob pena de ressarcir os danos causados, inclusive morais.

CPI DA JBS NÃO FOI INSTALADA POR FALTA DE INDICAÇÃO DE NOMES DO PT E PMDB

Não há dúvida sobre PT e PMDB serem quadrilhas de corruptos
A CPI da JBS, criada há quase um mês, ainda não foi instalada porque PMDB e PT não indicaram seus integrantes. De acordo com a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, o líder peemedebista no Senado, Renan Calheiros (AL), a quem cabe apontar os nomes do partido, não demonstra pressa. O parlamentar é desafeto de Temer. O provável presidente do colegiado, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), afirmou à publicação que pediu as indicações há mais de 25 dias. “Percebo certa indisponibilidade”, disse sobre PT e PMDB. O líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), deve reunir sua bancada na segunda-feira (26) para, no dia seguinte, fazer a indicação. A criação da CPI foi articulada logo depois da delação da JBS implicar o presidente em denúncias de corrupção. Com base nos depoimentos dos donos do frigorífico, o relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, instaurou inquérito para investigar Temer por corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa. O procurador-geral da República deve oferecer nos próximos dias três denúncias contra o peemedebista. Ele foi gravado em uma conversa, que aconteceu à noite e fora da agenda oficial, na qual o empresário Joesley Batista lhe relata ter resolvido pendências com o ex-deputado Eduardo Cunha, preso em Curitiba. Após a fala do empresário, Temer respondeu: “Tem que manter isso, viu?”. A fala foi interpretada como um aval do peemedebista para comprar o silêncio de Cunha.

UMA QUADRILHA APÓS A OUTRA

Quadrilhas de Brasília se exibem durante o ano todo
Se antes dependia imensamente da bancada governista para tentar aprovar as reformas e justificar sua permanência no Palácio do Planalto, agora o presidente Michel Temer (PMDB) deve sua vida a ela, principalmente depois da entrevista-bomba dada pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, à revista Época que circulou este final de semana. O quadro descrito por Joesley, em detalhes, sobre como funcionam políticos e partidos no Brasil é simplesmente estarrecedor, por mais que não constitua, na prática, nenhuma grande novidade para quem milita neste universo. Mas é inegável que os anti-reformistas que vêm na queda de Temer a garantia de que não se mudará um milímetro de uma Previdência que é basicamente do funcionalismo público avançaram mais uma casa em relação a seu objetivo e tornaram a permanência do presidente ainda mais incerta e instável, senão mais dependente dos humores de um Congresso que, em sua maioria, funciona exatamente da forma como Joesley descreveu no seu depoimento histórico, construído numa narrativa tão perfeita e minuciosa que parece mais ter sido redigido do que efetivamente contado à publicação. Embora Temer seja o foco das atenções no momento e tenha se tornado impossível assumir sua defesa ante o verossimilhante relato de Joesley, o protagonista do mais generoso acordo de delação premiada quiçá já celebrado pelo Ministério Público brasileiro não deixa de dar uma contribuição valiosíssima para se entender como o país mergulhou em tamanho grau de corrupção sistêmico e generalizado tendo como pano de fundo a máquina pública, ao estabelecer como recorte histórico para a máxima degradação do Estado brasileiro o governo do ex-presidente Lula. “O PT institucionalizou a corrupção no país”, é o mínimo que diz o empresário, que de caipira só tem o jeito igualmente estudado. Aliás, nem a ex-presidente Dilma Rousseff, vendida como a mais pura alma no mar de lama em que seu partido se transformou, escapa de suas confissões desavergonhadas. Mais hábil do que os executivos que o antecederam no expediente da delação premiada e certamente jamais imaginaram que a Lava Jato atingiria o patamar que alcançou, Joesley consegue pintar de si mesmo o quadro típico do empresário vítima de quadrilhas políticas que se notabilizaram em achacar quem se aproximasse, dependesse ou tivesse negócios com o Estado. Começou assim, segundo seu relato, com os quadrilheiros do PT e transcorria assim com os quadrilheiros do PMDB, incluído aí, sempre segundo seu depoimento, o tucano Aécio Neves, que, aliás, foi parceiro de Lula até ser preterido como candidato do petista à presidência em favor de Dilma, lá pelos idos de 2010. Joesley não deixa dúvidas de que era a certeza da impunidade e a facilidade para assaltar o Estado que transformaram no Brasil a atividade política no meio mais rápido e fácil de ascensão social e econômica. Ante o que ainda está por vir, só há uma solução: que a economia se descole da política para o bem de quem realmente leva este país nas costas. Por Raul Monteiro.

DESDE 2013, PRISÕES POR CORRUPÇÃO CRESCEM 288%

Muitos corruptos foram presos. Mas ainda há muitos impunes!
As milhões de pessoas que foram às ruas em junho de 2013 não pediram a aprovação da Lei 12.850, que regulou as delações premiadas. Mas a mudança legal – parte do pacote aprovado pelo Congresso em resposta aos protestos – abriu o caminho para que o número de prisões temporárias e preventivas e os flagrantes de corruptos acusados de desvio de verbas públicas no País fosse multiplicado por quatro de 2013 para 2016. Números da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado (Dicor), da Polícia Federal, mostram que, no ano passado, dez pessoas foram presas a cada semana por agentes federais em operações de combate ao desvio de verbas públicas. Em 2013, antes da aprovação da lei sobre colaboração premiada, esse número não chegava a três por semana (2,5 em média). O Estado analisou os dados de 2.325 operações deflagradas pela PF no País de 1.º de janeiro de 2013 a 31 de março deste ano. Os dados foram obtidos por meio da Lei de Acesso a Informação. “O marco disso é a lei de 2013”, afirmou a delegada Tânia Prado, presidente do Sindicato dos Delegados da PF. Para ela, a legislação que emparedou o mundo político dificilmente passaria hoje no Congresso. “Ela foi aprovada no contexto da pressão popular. Devem (congressistas) ter achado que era bom para prender traficante” Em 2013, a PF fez 302 operações no País de combate a organizações criminosas – desde as envolvidas com crime comuns, como tráfico de drogas, até as especializadas em delitos financeiros. Em 2016, esse número aumentou 205%, chegando a 922. Já no primeiro ano depois da lei, em 2014, o número de prisões concedidas pela Justiça e flagrantes nessas operações chegou a 2.798 e somou 4.122 em 2016 – aumento de 771% em comparação com as 473 registradas em 2013. No caso das operações de combate ao desvio de verbas públicas, as prisões passaram de 135 (2013) para 524 (2016) – crescimento de 288%. De Grandis diz que, hoje, o combate à corrupção é uma prioridade na PF e no Ministério Público Federal (MPF).

NEYMAR E BRUNA MARQUEZINE TERMINAM NAMORO

Entre o santo e o profano Neymar e Bruna não se decidem!
Na última quinta-feira/22, foi anunciado que o namoro de Bruna Marquezine e Neymar chegou ao fim. Os dois começaram a se relacionar em 2013 e, desde então, passaram por muitas idas e vindas. Relembre um pouco da trajetória do casal. No carnaval de 2013, Bruna e Neymar ficaram pela primeira vez. O relacionamento durou um ano até que, em fevereiro de 2014, veio à tona a notícia de que os dois terminaram. O motivo não foi divulgado. Mas o término durou pouco: em maio do mesmo ano, o jogador acompanhou a atriz numa festa da TV Globo que comemorava o 100º episódio da novela 'Em Família', da qual Bruna era protagonista, mostrando que estavam juntos novamente. Se a volta foi rápida, um novo término veio mais rápido ainda. No fim de julho do mesmo ano, Bruna e Neymar viajaram para Ibiza, na Espanha. Na época, o jogador já estava jogando pelo Barcelona. Em agosto, os dois terminaram, ainda durante a viagem, o que fez com que Bruna deixasse o balneário antes e voltasse para o Brasil. Mais uma vez, os dois não falaram sobre os motivos do término. Passaram-se quase dois anos sem que eles fossem vistos juntos. Em julho de 2016, porém, 'Brumar' voltou a virar assunto nas redes sociais e nos portais de notícia. Durante a Olimpíada, quando o Brasil conquistou a medalha de ouro no futebol masculino, Neymar foi em direção a Bruna, que estava na arquibancada, para comemorar. Os dois trocaram um abraço caloroso e, assim, teve início mais uma rodada de especulações de que os dois estariam juntos. Desde a Olimpíada, Bruna e Neymar foram vistos juntos em festas, eventos e aniversários por diversas vezes, mas nunca assumiam um relacionamento. Somente em fevereiro de 2017, a atriz confirmou o namoro durante entrevista a Matheus Massafera, da TV Vogue. Desde então, os dois compartilharam diversos vídeos e imagens juntos em suas redes sociais, até que, mais uma vez, o fim chegou. Será que tem volta?

GEDDEL NEGA POSSIBILIDADE DE FAZER DELAÇÃO PREMIADA

A pocilga dos sanguessugas do erário fede, insuportavelmente!
O ex-ministro Geddel Vieira Lima classificou como “ridícula” a possibilidade de fazer delação premiada para evitar que seja preso por conta do avanço das investigações sobre ele e das revelações feitas pelo doleiro Lúcio Funaro. Em entrevista ao blog da jornalista Andréia Sadi, do G1, o peemedebista também negou ter influência no governo Temer. "Delação de que, meu Deus? Isso é ridículo. Estou quieto no meu canto. Não falo com Temer faz três meses e não tenho influência no governo. Delação não está na minha pauta. Estou cuidando dos meus filhos", disse Geddel. Funaro, que é ligado ao ex-deputado Eduardo Cunha, disse em depoimento à Polícia Federal no dia 14 de junho que pagou a Geddel aproximadamente R$ 20 milhões, em espécie, como comissão por operações de crédito que ele teria viabilizado junto à Caixa Econômica Federal na época em que era vice-presidente de Pessoa Jurídica do banco. Geddel também afirmou que não fala com Temer há cerca de três meses e que conversou recentemente com Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil, por questões pessoais. O baiano ainda disse que não responderia aos questionamentos sobre o depoimento de Lúcio Funaro. "Quem trata disso é o meu advogado", afirmou.

SERRA DIZ QUE PAÍS ESTÁ PIOR DO QUE EM 1964

Somente generais vão poder por ordem e progresso neste país!
O senador José Serra (PSDB-SP) avalia que o Brasil atravessa a maior crise política de sua história contemporânea. "O país está pior do que em ouros momentos, pior do que em 1964", disse ele, mencionando o ano em que houve o golpe militar. Serra destacou que, no conturbado momento político atual, é difícil identificar os lados e os interesses, ao contrário de 1964. "Não se sabe direito o que se quer." Em evento hoje em Barueri, Serra defendeu uma reforma política que estabeleça o voto distrital misto. "É uma opção para salvar o sistema democrático no Brasil", disse ele, que também defendeu o parlamentarismo. "Em democracias, é natural que partidos políticos sejam adversários, mas hoje a questão no Brasil é que há um desgaste geral", ressaltou o senador. "A questão é a desmoralização de uma atividade que é essencial para o futuro do nosso país, que é a política." Para o senador, em meio à crise política, o PSDB tem que reagir e se defender, mas principalmente mostrar propostas concretas. Serra terminou seu rápido discurso falando que está "em plena forma", mas disse que seu mau humor continua, arrancando risos dos presentes. Perguntado por jornalistas após o evento, Serra preferiu não dar declarações sobre a permanência do PSDB na base do governo Michel Temer e nem comentar a gestão do prefeito João Doria, que também estava presente no encontro, o seminário "Região Metropolitana de São Paulo", organizado pelo Instituto Teotônio Vilela e que reuniu prefeitos, vereadores e lideranças do PSDB.

DORIA CHAMA DILMA DE 'ANTA' E LULA DE 'CARA DE PAU'

O Cara de Pau, a Anta e Dória
O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), fez declarações polêmicas durante palestra no sábado/24 no Expertxp 2017, evento da XP Investimentos que reúne empresários e investidores do mercado financeiro, realizado no Transamerica Expo Center, na cidade de São Paulo. Ao tecer críticas sobre os governos petistas, o tucano chamou a ex-presidente Dilma Rousseff de “anta” e o ex-presidente Lula de “cara de pau”. As declarações foram proferidas enquanto Doria falava de sua motivação para concorrer à prefeitura da capital paulista. “Quando me perguntam qual foi a minha grande motivação para disputar as prévias do PSDB e a prefeitura, eu respondo: ‘Quem ama o Brasil, não pode achar que depois de 13 anos de PT, de Lula e Dilma, o Brasil pode voltar para essa gente'. Não dá. Eu lembrava do Lula e da Dilma falando aquelas bobagens. Aquelas asneiras da Dilma. Uma anta”, afirmou, sendo aplaudido pelos mais de três mil empresários do setor financeiro que participam do evento. “Desculpa, Dilma, mas você é uma anta mesmo”, reafirmou. Ao falar sobre Lula, Doria ironizou o petista. “O Lula com aquela arrogância, com aquele discurso de ‘Nunca antes na história desse país’. Aí o Lula tem a cara de pau de voltar no Congresso do PT e dizer que é preciso modernizar o país. Oh, Lula, faça-me o favor. Modernizar o quê? Só se for modernizar a tornozeleira eletrônica”, disse, sendo novamente aplaudido pelo público do evento. Além de Doria, o Expertxp 2017 contou com participações do coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público Federal, Deltan Dallagnol, e do presidente do conselho do Itaú, Roberto Setubal. Em maio deste ano, o Itaú fechou a compra de 49,9% do capital total da XP Investimentos pelo valor de R$ 6,3 bilhões.

PROCESSADA DUPLA QUE TATUOU 'LADRÃO E VACILÃO' EM TESTA DE ADOLESCENTE

Ao tatuarem bandido, Maycon e Ronildo se tornaram bandidos
O Ministério Público de São Paulo denunciou os dois suspeitos de tatuar a testa de um adolescente de 17 anos com a frase "eu sou ladrão e vacilão" na cidade de São Bernando do Campo. O tatuador Maycon Wesley Carvalho dos Reis e o pedreiro Ronildo Moreira de Araújo foram denunciados por constrangimento ilegal, lesão corporal e ameaça. No entanto, a promotora de Justiça Giovana Ortolano Guerreiro Garcia não considerou o crime de tortura. Maycon e Ronildo alegam que o adolescente que teve a testa tatuada tentou furtar a bicicleta de um deficiente físico e por isso queriam dar uma "punição" a ele. A vítima argumenta que apenas esbarrou no veículo. Os dois suspeitos foram presos no último dia 12.

ISTAMBUL PROÍBE MARCHA DO ORGULHO GAY

A turquia oficializa a homofobia e proíbe atos públicos de gays
As autoridades de Istambul, na Turquia, proibiram ontem, sábado/24 a Marcha do Orgulho, a favor dos direitos de gays e outras minorias sexuais, prevista para amanhã na cidade, alegando razões de segurança para os turistas. "Como resultado da nossa avaliação e considerando a ordem pública e a segurança dos turistas que estão na região para passear, bem como dos nossos cidadãos, especialmente os participantes, não se autoriza a marcha nem reuniões no dia da comemoração, nem antes nem depois", detalha um comunicado do escritório de governo de Istambul. As informações são da agência de notícias EFE. "A praça de Taksim (de Istambul) e o seu entorno, onde se convocou a marcha, não fazem parte dos espaços para manifestações e reuniões", acrescenta a nota. Segundo o comunicado, as autoridades locais não receberam solicitação alguma dentro das normas legais para organizar esta marcha, que estava prevista para a tarde deste domingo. Vários grupos conversadores e islamitas turcos já tinham anunciado sua intenção de impedir a marcha.

AS AMARRAS DOS R$ 3,5 BILHÕES DO ERÁRIO PARA BANCAR ELEIÇÕES DE 2018

Com ou sem dinheiro público, a maioria dos políticos permanecerá corrupta
Amarrada com o apoio inicial de presidentes de sete partidos, a proposta de autoria do líder do governo e presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), para criação do fundo parlamentar com estimativa de R$ 3,5 bilhões de recursos públicos para financiar a eleição de 2018. No caso da distribuição do fundo partidário, única forma de financiamento público dos partidos hoje, é usada como regra o número de votos obtidos pelo partido na última eleição de deputado. Pelas novas regras do fundo, serão usadas como referência as bancadas atuais na Câmara e no Senado. Com isso, a fatia do PMDB de Jucá saltaria 46,02% em comparação com a que recebe pelo fundo partidário. Procurado, Jucá disse ontem que o que foi apresentado foi um texto base, para discussão. PT e PSDB — partidos que tendem a ser mais prejudicados — reagiram às possíveis perdas. O ex-líder do petista no Senado, Humberto Costa (PE), adiantou que sua legenda não vai aceitar a fórmula proposta por Jucá: “A referência tem que continuar sendo a bancada da Câmara. É o voto popular, não o majoritário, que deve continuar como parâmetro, como no caso da distribuição do tempo de TV e de recursos do Fundo Partidário. O cálculo não pode ser feito misturando laranja com banana”.

PRESIDENTE DA ELETROBRAS DIZ QUE 40% DOS GERENTES SÃO 'VAGABUNDOS' E 'SAFADOS'

É difícil crer que haja gente ética, honesta e séria no governo
O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, se referiu a gerentes da estatal como "vagabundos" e "safados" durante a apresentação de um plano de reestruturação da companhia que vai resultar no corte de quase metade de seu quadro de funcionários. Segundo informações do G1, a declaração gerou mal-estar entre sindicatos de trabalhadores, que decretaram uma greve de 24 horas nesta quinta-feira (22). "São 40% da Eletrobras. 40% de cara que é inútil, não serve para nada, ganhando uma gratificação, um telefone, uma vaga de garagem, uma secretária. Vocês me perdoem. A sociedade não pode pagar por vagabundo, em particular, no serviço público", disse Ferreira. Em nota, a Eletrobras afirmou que o presidente pediu desculpas aos colaboradores da empresa por meio de um vídeo divulgado internamente. A estatal também argumentou que o áudio foi tirado de contexto. O texto alega que a declaração aconteceu em um momento em que os sindicatos ameaçaram entrar na justiça contra as privatizações e se mostraram contrários ao plano de desligamento voluntário. "O presidente elencou diversas situações inaceitáveis dentro de uma empresa do porte da Eletrobras, como falta de comprometimento de alguns gerentes, descaso com as metas da companhia e, até mesmo, fraudes envolvendo o sistema de catracas, que registram o ponto. Por isso, com o intuito de alertar aos sindicatos para que eles também se manifestem contra esse tipo de comportamento indevido, o presidente usou de maior veemência", relata a nota.

IRRITADO COM GOVERNO RUI, FÉLIX COGITA ENTREGAR CARGOS DO PDT


AS RELAÇÕES DE FÉLIX JR E RUI COSTA ESTÃO RUINS
Após o deputado estadual Marcelo Nilo (PSL) (veja aqui), foi a vez de seu desafeto declarado, o deputado federal Félix Mendonça Júnior (PDT), desferir nesta quinta-feira (22) críticas à articulação política do governador Rui Costa, do qual integra a base aliada. Em entrevista ao Bahia Notícias, o pedetista, presidente do partido na Bahia, disse que avalia reunir a executiva estadual do partido para discutir a entrega de cargos que possui atualmente na gestão do petista. Apesar de dizer que “não está rompendo” com o governo e assegurar que não vai procurar a administração para discutir a relação, Félix endureceu o tom contra o secretário de Relações Institucionais, Josias Gomes. De acordo com o deputado, ele é o responsável pela insatisfação que toma conta dos deputados do partido. “Estou me queixando é do tratamento da Serin, que não resolve as coisas e não dá uma solução para os pleitos. Às vezes, a gente tem algum assunto para resolver de um prefeito, levamos ao secretário, mas ele não tem posição definitiva. Muitas vezes, fica indefinido. É um ‘embromation’ danado”, reclamou. “Os deputados federais baianos sentem tanta falta dele [Josias] que estão rezando para ele voltar para Brasília”, ironizou. O parlamentar baiano ponderou que não está discutindo a saída da base aliada, e sim a possível entrega dos cargos. “O que estou levantando é o partido não ter espaço físico, cargos. Ficar na base significa ter cargos e isso gera muita demanda, que não é resolvida”, disse. O presidente do PDT ressaltou também que pretende concentrar esforços na preparação da sigla para as eleições do ano que vem e adiantou que o partido não deve coligar para o pleito. Ele ainda refutou a possibilidade de uma possível migração para a base de ACM Neto. “Não tem nada disso. De forma alguma”, assegurou. Por Bruno Luiz.

EM DEPOIMENTO, DILMA DIZ QUE LULA 'JAMAIS INTERFERIU' EM SEU GOVERNO


Lula manipula Dilma, que é sua boneca de ventríloquo
Em depoimento à Justiça Federal, a ex-presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira/22 que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva "jamais interferiu" no seu governo, nem mesmo em suas atribuições como ministra-chefe da Casa Civil. Ela disse ainda que "não tem conhecimento" de que Lula tenha solicitado vantagens indevidas. "Ele é absolutamente respeitoso", defendeu. Por meio de videoconferência, Dilma foi ouvida como testemunha na ação que investiga negociações irregulares que levaram à compra de 36 caças suecos do modelo Gripen pelo governo brasileiro e à prorrogação de incentivos fiscais destinados a montadoras de veículos por meio da Medida Provisória 627. Na audiência, Dilma afirmou ainda que o processo de transição com a gestão de Lula foi "extremamente respeitoso". Sobre a compra dos caças, Lula teria dito apenas que ele não decidiria sobre a questão em seu governo e que isto ficaria para o mandato da petista. Segundo ela, a escolha pelos caças suecos ocorreu principalmente pela possibilidade de o Brasil participar do processo de desenvolvimento do projeto. Questionada se Lula ou o Instituto Lula alguma vez intermediaram algum encontro com o agora primeiro-ministro sueco Kjell Stefan Löfven, Dilma respondeu que suas relações foram "poucas com o instituto" e que o ex-presidente "jamais intermediou esse tipo de relação". "Ele jamais interferiu em encontros que diziam respeito à minha área de atuação", destacou. Dilma lembrou que a Medida Provisória 627 marcou o seu rompimento com a base aliada do governo petista, com as chamadas "pautas-bomba". Na época, ela vetou diversos "jabutis" (temas estranhos à matéria) incluídos por parlamentares ao texto. A ex-presidente justificou que não vetou o artigo que beneficiava o setor automobilístico porque era o único ponto "neutro", que não teria impacto momentâneo na economia. "Posso vetar várias, mas não posso vetar todas, poque seria um desrespeito com o Legislativo", disse. "Não se tratava de nenhuma renúncia fiscal, e sim de prorrogar uma isenção que já vinha anteriormente. Não havia arrecadação derivada dessa medida, tratava-se de uma prorrogação. A parte mais grave da MP foram as novas medidas de isenção que eles introduziram. A Fazenda era contra qualquer isenção fiscal, agora, quando chega na hora de votar, lembre que meus vetos passaram a ser submetidos à apreciação do Congresso", disse. Em dois momentos, Dilma fez questão de responder aos questionamentos da Procuradoria da República, mesmo quando o juiz e advogados de defesa interferiram para dizer que ela já tinha se manifestado sobre a pergunta. O caso é investigado no âmbito da Operação Zelotes, na qual são réus Lula e seu filho, o empresário Luis Cláudio. Ambos foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) por tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa em dezembro de 2016. Na denúncia, a Procuradoria da República afirma que Lula, já na condição de ex-presidente, "integrou um esquema que vendia a promessa de que ele poderia interferir junto ao governo para beneficiar as empresas MMC, grupo Caoa e SAAB, clientes da empresa Marcondes e Mautoni Empreendimentos e Diplomacia LTDA (M&M)". Em troca, afirma o MPF, o casal de lobistas Mauro Marcondes e Cristina Mautoni, donos da M&M, repassaram a Luis Cláudio pouco mais de R$ 2,5 milhões. Outras duas testemunhas do MPF foram ouvidas nesta quinta-feira sobre o caso: Luiz Alberto dos Santos, consultor legislativo que trabalhou na Casa Civil entre 2003 e 2014, e Bengt Janér, representante da Saab no Brasil. Por Julia Lindner.