21 de fevereiro de 2018

TEMER JÁ ROUBOU MUITA COISA, MAS MEU DISCURSO NÃO VAI ROUBAR, ATACA BOLSONARO


Todo petista está a temer Bolsonaro acabar com a máfia do Lula
Defensor da intervenção militar e do porte de arma, o pré-candidato à Presidência da República, deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), acusou o presidente Michel Temer (PMDB) de roubar seu discurso. “Temer já roubou muita coisa, mas meu discurso não vai roubar”, alfinetou. Um dos votos favoráveis ao decreto da intervenção federal no Rio de Janeiro, Bolsonaro acredita que a medida seria apenas paliativa e defendeu o que chamou de “retaguarda jurídica”. “Votei a favor, mas se fosse eu teria feito diferente. Tem que ter retaguarda jurídica, que antes mesmo de levar o tiro, você almeja o inimigo”, afirmou. Segundo ele, as Forças Armadas não terão como exercer adequadamente o seu trabalho. “É uma medida paliativa que vai durar entre 20 e 30 dias e depois vai voltar a tudo como é. Mas o que Temer fez foi uma intervenção política. Ele agora está sentado, deitado... Vou torcer que dê certo. Se der errado, vai jogar no colo das Forças Armadas”.

CUMA DESPERDIÇOU NO CARNAVAL, O DINHEIRO DA SAÚDE


Só não falta dinheiro para pagar contratos suspeitos
Depois do prefeito Fernando Gomes (Cuma), ter dilapidado mais de R$ 3 milhões para realizar o carnaval no início de janeiro, a prefeitura convive com graves dificuldades financeiras, que resultam na dramática falta de tiras para o teste de glicemia, essencial para os diabéticos da cidade. Enquanto bandas e atrações musicais locais, reclamam da inadimplência do prefeito, pacientes criticam a não disponibilização das tiras reagentes na Farmácia Pública Municipal e denunciam que este fato se arrasta desde dezembro do ano passado. Ou seja, a prefeitura teve muito dinheiro para investir em 4 dias de festa do Rei Momo, mas os pacientes de diabetes estão há mais de 80 dias sem um material imprescindível para o controle de uma doença que pode levar à morte. As tiras para o teste de glicemia, medem o índice de açúcar no sangue; devem ser distribuídas gratuitamente e o que mais causa indignação, é que a Prefeitura recebe verbas específicas do governo federal para a distribuição do produto e isto não está acontecendo. A promessa de regularizar o fornecimento vem desde dezembro, quando alegaram que em janeiro o serviço estaria regularizado. Janeiro já passou, fevereiro está passando e não há previsão e explicação para esta negligencia. JOGO DE EMPURRA-EMPURRA: A secretária de Saúde de Itabuna, Lísias Miranda, afirma só ter sido informada sobre a falta das fitas na sexta-feira (16), apesar das reclamações virem desde dezembro. Ela diz que o almoxarifado tem 200 caixas com 50 tiras cada. Segundo a secretária, o coordenador de Assistência Farmacêutica, Wanderlei Machado, não fez o requerimento do material. Por sua vez, Wanderlei garante que ele não sabia que havia material e, desmentindo a secretária, afirma ter pedido sim o insumo, no dia 2 de janeiro. Enquanto um setor da Prefeitura joga a responsabilidade em outro, os diabéticos de Itabuna que dependem do medidor permanecem menosprezados e tratados com pouco-caso.

BAHIA SUPERA RJ E SP EM NÚMERO DE ASSASSINATOS NOS ÚLTIMOS 3 ANOS


Rui Costa é o único baiano que não ver violência na Bahia!
Segundo o Mapa da Violência entre janeiro de 2015 a agosto de 2017, a Bahia superou os estados do Rio de Janeiro e São Paulo na quantidade de assassinatos. Nesse período de três anos a Bahia teve 17.650 homicídios, contra 12.294 em São Paulo e 15.685 no Rio. Os dados foram lembrados pela bancada de oposição da Assembleia Legislativa da Bahia. “A SOCIEDADE DA BAHIA VIVE EM ESTADO DE PÂNICO" - Para o deputado estadual Augusto Castro (PSDB), os números revelados pelo Mapa da Violência sobre os homicídios na Bahia não chegam a ser uma surpresa. “A sociedade da Bahia vive em estado de pânico. Não se respeita mais escolas, hospitais nem mesmo velório. A área de segurança do Estado está perdendo esta guerra”. “A violência aumentou em todo o país, mas na Bahia houve um crescimento maior e que embora o governo estadual propague o combate nós não vemos isso se concretizar na prática. Os policiais continuam reclamando sobre a falta de estrutura e baixos salários e a população está cada vez mais insegura. Consequentemente, trabalhadores, cidadãos baianos estão cada vez mais a mercê da marginalidade. Uma tristeza sem tamanho”, lamentou o líder da bancada de oposição, deputado estadual Leur Lomanto Jr. (PMDB).