10 de março de 2016

QUAIS SECRETÁRIOS APOIARÃO O CURURU COM SEUS ENTRAVES?

Este é o time Vane, de alguns que já saíram e outros que sairão
A decisão do prefeito de Itabuna, Claudevane Leite ("PC do B"), de apoiar o comunista deputado biônico, Davidson Magalhães e suas ameaças de exonerar quem não participar da sua campanha, parece está condenada à prática do "faz de conta" de quem será, mas não estará! Eu explico: muitos comissionados da prefeitura dirão e até jurarão, que apoiam e votam com o Cururu, mas terão consultas médicas; estarão em viagem; cuidarão de algum parente doente; sofrerão forte dor de cabeça; o carro terá pneu furado por buraco na rua; a chuva impedirá; recomendações médicos evitarão que saiam de casa e assim, muitos pretextos acontecerão e muitos dos ocupantes de cargos de confiança na prefeitura não aparecerão e consequentemente, não participarão. Mas, entre aqueles que nem precisarão iludir, ou recorrer a álibis estapafúrdios, estão alguns secretários contrários ao prefeiturável do prefeito. Neste contexto se destacam, Roberto José (Ficc), Marcos Cerqueira (Fazenda), Oton Matos (Controladoria), Marcos Monteiro (Sedur) e Francisco Edes (SAS). Naqueles que dirão amém apenas o que lhes convém e não ousarão contrariar o chefe, estão José Humberto (Industria e Comércio), Lans Almeida (Agricultura), Acácia Pinho (Marimeta), Ricardo Campos (Emasa), Evans Maxuel (Esportes), Abraão Ribeiro (Settran) e Dinalva Melo (Educação). O único que, talvez, não fique contra e nem a favor, é Paulo Bicalho (Saúde). Nos escalões abaixo do secretariado, as insatisfações resultarão em maior quantidade de ausências e desfaçatez. Estes fatos revelam que os esforços do prefeito e do deputado biônico, para conter defecções, deverão ser tão descomunais, quanto aqueles que deverão ser empreendidos, para diminuir os embaraçosos índices de rejeição popular. Sem essas prioridades, piorarão as possibilidades de viabilização de êxito para Davidson Magalhães. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.