14 de maio de 2017

SÓ A CONVICÇÃO DA RESSURREIÇÃO CONFORTA À DOR DA PERDA DA MÃE

Minha saudosa Mãe Nicinha, em momento de
entretenimento, com meu pai e minhas irmãs
Há 28 anos carrego em meu peito, a convicção que a perda de uma mãe, está na lista dos lutos mais doloridos e longos na vida de uma pessoa. Quando se há uma relação forte, sentimental e intima com a mãe, independente a idade, a reação de luto dilacerante é certa. Esta perda geralmente traz consigo o desnorteamento da vida, pois a mãe é uma figura muito importante, principalmente em nossa cultura, ligada a segurança, aconchego, orientação e refugio. Então quando uma mãe morre é tudo isso que parece morrer com ela, inclusive para com adultos, que já possuam sua família. Apesar de já haver construído segurança em si mesmo e ter conquistado espaço na vida, com seu trabalho e família, a mente emotiva resgata, nesta hora de perda, que seu símbolo de segurança, exemplo, referencia emocional e racional foi embora e a sensação é de medo, e incertezas. O espaço vazio que uma mãe deixa ao morrer, não é gerado por ela, e sim pelos filhos que ficam. Tudo vai depender de cada historia, cada relação, cada impacto vivido com essa perda. Mas de uma forma geral pode-se dizer que para lidar com essa perda tão significativa é preciso respeito, respeito de si mesmo com sua dor, momento e sentimentos, assim como por parte dos outros. O choro é a maior forma de expressão dos sentimentos, e é muito comum. Não há porque segurar, chore se sentir vontade. Fale sobre sua mãe, relembre os momentos bons e assuma a saudade e a dor que sente. Verbalizar dá espaço para esvaziar os sentimentos e entrar em contato com eles. Muitos dizem por ai, como: não chore, não fale disso, não fique triste. Sugiro sempre que faça o contrario, fale sim sobre ela, chore, sinta raiva (pois sentimos raiva com essa perda), saiba que a tristeza é grande e assuma para você e para quem for preciso. O tempo de alivio ou de passar a dor, é relativo, há casos que levam meses, outros levam anos, tudo depende de quem está passando por isso. Não tenha pressa, sua mente estará tentando se adaptar a esta ausência e tentando redirecionar a fonte se segurança e aconchego para outras referencias em sua vida e isso leva tempo. Uma mãe não será esquecida ou substituída e por isso o Luto é tão dolorido e lento. Se em algum momento acreditar que esta perda, sensação de tristeza interfere em sua vida pessoal, profissional ou familiar, por ter dificuldade de continuar adiante sem sua mãe, sugiro uma ajuda psicológica para orientação e acolhimento, mas somente neste caso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.