21 de junho de 2018

NÃO É POR SER FILHO DE CUMA, QUE SÉRGIO PODE VENCER!

Ser "filho do papai" não evita a queda do cowboy!

Não há como desconsiderar o fato de um candidato ser filho de um político, na vigência do quinto mandato de prefeito de uma das maiores cidades baianas, está com condições favoráveis para obtenção de votação expressiva. Entretanto, também não se pode avaliar este fato como suficiente para assegurar vitória eleitoral. Já vi o próprio pai desse candidato perder uma eleição para deputado estadual e o primogênito da prole “cair do cavalo”, em sua corrida para conquista de uma cadeira na Assembleia Legislativa da Bahia. Portanto, para quem busca se eleger, não pode apenas depender de ser filho de prefeito, ou possuir muitas cédulas de cem reais, para cooptação de lideranças políticas. Sem o bom senso dessas observações, o percurso pode ser encurtado a uma suplência cujo valor é insignificante. O que vale é vencer! E as expectativas de vitória não são promissoras, para quem só tem o pai para oferecer. São necessárias ideias, projetos, pronunciamentos, comprometimentos e realização de uma campanha, que não se restrinja a abrangência do domicílio eleitoral. Encarar uma campanha não é como montar num touro para cair, levantar e depois voltar a tentar vencer a fera. Uma candidatura que começa caída, muito dificilmente, terá como se levantar, sacudir a poeira e ter novas oportunidades para dominar e conquista a vitória, para logo após subir ao pódio!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.