21 de fevereiro de 2018

CUMA DESPERDIÇOU NO CARNAVAL, O DINHEIRO DA SAÚDE


Só não falta dinheiro para pagar contratos suspeitos
Depois do prefeito Fernando Gomes (Cuma), ter dilapidado mais de R$ 3 milhões para realizar o carnaval no início de janeiro, a prefeitura convive com graves dificuldades financeiras, que resultam na dramática falta de tiras para o teste de glicemia, essencial para os diabéticos da cidade. Enquanto bandas e atrações musicais locais, reclamam da inadimplência do prefeito, pacientes criticam a não disponibilização das tiras reagentes na Farmácia Pública Municipal e denunciam que este fato se arrasta desde dezembro do ano passado. Ou seja, a prefeitura teve muito dinheiro para investir em 4 dias de festa do Rei Momo, mas os pacientes de diabetes estão há mais de 80 dias sem um material imprescindível para o controle de uma doença que pode levar à morte. As tiras para o teste de glicemia, medem o índice de açúcar no sangue; devem ser distribuídas gratuitamente e o que mais causa indignação, é que a Prefeitura recebe verbas específicas do governo federal para a distribuição do produto e isto não está acontecendo. A promessa de regularizar o fornecimento vem desde dezembro, quando alegaram que em janeiro o serviço estaria regularizado. Janeiro já passou, fevereiro está passando e não há previsão e explicação para esta negligencia. JOGO DE EMPURRA-EMPURRA: A secretária de Saúde de Itabuna, Lísias Miranda, afirma só ter sido informada sobre a falta das fitas na sexta-feira (16), apesar das reclamações virem desde dezembro. Ela diz que o almoxarifado tem 200 caixas com 50 tiras cada. Segundo a secretária, o coordenador de Assistência Farmacêutica, Wanderlei Machado, não fez o requerimento do material. Por sua vez, Wanderlei garante que ele não sabia que havia material e, desmentindo a secretária, afirma ter pedido sim o insumo, no dia 2 de janeiro. Enquanto um setor da Prefeitura joga a responsabilidade em outro, os diabéticos de Itabuna que dependem do medidor permanecem menosprezados e tratados com pouco-caso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.