3 de junho de 2017

POLÍCIA FEDERAL PRENDE ROCHA LOURES

O “Homem da mala”: Rocha Loures foi preso hoje pela manhã
A Polícia Federal informou que o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), aliado do presidente Michel Temer (PMDB), foi preso neste sábado, 3, por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). A prisão ocorreu nesta manhã em Brasília. O ex-deputado se encontra na Superintendência Regional da PF na capital federal. Segundo a PF, não há previsão, neste momento, de transferência. Em março, Roucha Loures foi flagrado pela PF recebendo em São Paulo uma mala com R$ 500 mil que, segundo delações de executivos da JBS no âmbito da Operação Lava Jato, seriam dinheiro de propina. Ao reapresentar no Supremo Tribunal Federal pedido de prisão preventiva do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o classificou como "homem de total confiança, verdadeiro ‘longa manus’ do presidente da República Michel Temer". ‘Longa manus’ quer dizer executor de crime premeditado por outro. Janot insistiu na prisão de Loures tão logo ele perdeu a imunidade parlamentar - com o retorno do deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) à Câmara após ser demitido do cargo de ministro da Justiça. No início da Operação Patmos, em 18 de maio, Janot havia pedido a prisão preventiva do então assessor de Temer, mas o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, rejeitou a medida e apenas limitou-se a afastá-lo do mandato. PF ACHOU R$ 20 MIL EM DINHEIRO VIVO NA CASA DE EX-ASSESSOR DE TEMER - Buscas e apreensões, no âmbito da Operação Patmos, em endereços ligados ao ex-assessor do presidente Michel Temer e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), em Brasília, encontraram R$ 20 mil em dinheiro vivo, na casa dele em Brasília. Os valores não foram confiscados por serem inferiores ao autorizado para apreensão. Loures é investigado por supostamente agir em nome de Temer e na condição de ‘homem de confiança’ do presidente e interceder junto à diretoria do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) - órgão antitruste do governo federal - em benefício da JBS. Delatores da JBS dizem que foi prometida uma "aposentadoria" de R$ 500 mil semanas durante vinte anos a Loures e ao presidente Temer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.