9 de junho de 2017

NÃO HÁ DEMOCRACIA COM TANTAS ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS ELEGENDO CORRUPTOS

Raríssimos são os partidos sem cúpula de bandidos do colarinho
branco no Brasil. Isto é causa de degeneração política no país
Quanto maior o número de partidos, mais eles se perdem. Sigla partidária perdida é o que mais temos nesta república de fachada democrática onde mera citação do regime militar de 1964 é recebida com raivosa reação por parte do oportunismo ideológico, do peleguismo sindical e dos ambidestros defensores de interesses inconfessáveis. Lamentavelmente a maioria dos partidos não passa de mera ferramenta para oficializar nome de candidato ou – o que também é imoral – chave enferrujada para manter aberta a porta que leva ao círculo do poder após a eleição independentemente de quem a vença. Entendo que diante da grave crise nacional – e baiana, de modo especial – o momento é o melhor para se iniciar uma grande reforma eleitoral, de modo a botar freio na superficialidade partidária. O Estado Brasileiro precisa ser revisto imediatamente a começar pela reforma eleitoral, mas essa revisão não pode ficar restrita à classe política. Não há razoabilidade nas vantagens incorporadas aos salários dos magistrados, membros do Ministério Público, conselheiros e ministros. A continuidade do palacianismo é atentado contra a dignidade humana. O inchaço nas folhas dos servidores é aberração. A continuidade da política de duodécimo é assalto aos cofres. Disponibilizar emendas para parlamentares é imoralidade, é cala-boca. Está na hora de botar o dedo nessas feridas numa ação que somente alcançará resultado se tiver a participação popular, se contar com o grito rouco das ruas e com boa dose de renúncia aos interesses pessoais, porque uma mudança de tamanha amplitude atingirá um grande universo sem mandato, mas que direta ou indiretamente mama nas gordas tetas do velhaco estado politicamente viciado que a omissão coletiva permitiu que brotasse nessa república de fachada democrática. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.