2 de abril de 2017

80% DOS CONSELHEIROS DO TCE VIERAM DA POLÍTICA

Mario Negromonte: um corrupto no TCM
indicado pelo corrupto Jacques Wagner
Responsáveis por fiscalizar e julgar o uso de recursos públicos, 80% dos integrantes de tribunais de contas chegaram aos cargos após exercer mandatos eletivos ou altas funções em governos. O levantamento é da ONG Transparência Brasil, que atribui à "forte politização" dessas cortes a ineficiência no controle das atividades de governadores, prefeitos, secretários e outros gestores públicos. O estudo também aponta que quase um quarto dos conselheiros responde a processos ou já foi condenado na Justiça por suposto envolvimento em ilegalidades como corrupção, improbidade administrativa e peculato (desvio de recursos públicos). Na conta não estão os alvos da Operação O Quinto do Ouro, da Polícia Federal, que, na semana passada, prendeu cinco dos sete conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ). A suspeita é de cobrança de propina de empresas e políticos em troca de favorecimento em julgamentos. A operação reacendeu a discussão sobre os critérios de nomeação dessas autoridades e sobre a criação de um conselho para controlar sua atuação, ainda inexistente. "O caso do TCE-RJ assusta por sua dimensão, mas não é fato isolado", afirma o procurador de contas Júlio Marcelo de Oliveira, que atua perante o Tribunal de Contas da União (TCU) e preside a Associação Nacional do Ministério Público de Contas (Ampcon). Ele defende mudança na Constituição com o objetivo de acabar com indicações políticas para os órgãos. O estudo da Transparência Brasil - feito em 2014 e atualizado no ano passado - analisou o perfil de 233 integrantes das cortes de contas, entre eles os nove ministros do Tribunal de Contas da União (TCU). Quase a metade (107) foi deputado estadual, 91 ocuparam cadeiras de secretários estaduais ou municipais, 48 exerceram mandatos como vereadores e 22 chefiaram prefeituras. Em ao menos 59 casos, os nomeados são parentes de políticos, alguns deles do próprio governador que os nomeou. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente no blog do Val Cabral.